Número total de visualizações de página

segunda-feira, 26 de maio de 2014

SEMANA DA ASCENSÃO, A FESTA DA CHAMUSCA





Dedico este trabalho ao saudoso ALCINO SOUSA, um símbolo de dedicação à Chamusca e à Semana da Ascensão.


Muitas das filmagens que existem sobre o concelho da Chamusca, foram feitas com a sua inseparável máquina de filmar.


O DEBULHAR DA TRADIÇÃO





Ano de 1998 - Uma reportagem da RTP sobre a Semana da Ascensão.


QUINTA-FEIRA DE ASCENSÃO

Se recuarmos no passado uma centena de anos a Quinta-feira de Ascensão era referenciada como o dia de apanha da espiga, no qual uma parte da população se reunia em grupos e se deslocava ao campo para colher e compor um ramalhete, normalmente constituído por espigas de trigo (pão), papoilas (amor), um raminho de oliveira (azeite) e malmequeres (vida) que se guardava em casa, como um talismã, para dar sorte, saúde e afastar a penúria de alimentos, até se fazer nova apanha pela mesma época do ano seguinte.
Esta saída era igualmente uma ocasião para se levar uma merenda, ou farnel, saboreada no prazer de uma tarde, onde a alegria e o prazer do convívio se completavam com danças, cantares e bailaricos.
Na Chamusca o monte junto à capela do Sr. do Bonfim era o lugar de excelência, onde se reuniam as gentes para dar azo à comemoração deste dia.
Com a inauguração da Praça de Toiros, em 1919, a Quinta-feira de Ascensão passou igualmente a ter uma forte componente taurina, com a realização da corrida de toiros e algum tempo depois com a organização da entrada de toiros, em que os animais percorriam a Rua Direita de S. Pedro, a principal artéria da Vila, desde o Areal até ao Paio de Pele, onde se situa a Praça, ladeados por cabrestos e conduzidos por campinos que trajados a rigor, montados nos seus cavalos e munidos de varas, conduziam num tropel a manada até ao seu destino. Actualmente este é o acontecimento com maior tradição, mais aguardado e festejado pelas gentes que, ao milhares, se dispõem ao longo da Rua para assistir ao espectáculo da passagem dos animais, de entre os quais os bois bravos serão depois lidados na corrida de toiros realizada pela tarde.
Em tempos mais distantes a entrada de toiros chegou a ser efectuada na tarde da véspera da tourada e houve alguns anos em que não se realizou. Contudo, desde 1986 jamais deixou de se efectuar na manhã da Quinta-feira de Ascensão, dia da corrida de toiros.



De salientar neste processo de reavivar a tradicional entrada de toiros, a importância do Centro Cultural da Chamusca que durante alguns anos foi a Entidade que realizou o evento, até a Câmara Municipal assumir essa organização.



Neste júbilo de aficion taurina, a corrida de toiros que acontece pela tarde é igualmente um dos momentos mais tradicionais do dia. Pela Praça de Toiros, que comemora este ano 95 anos de existência, já passaram as figuras mais emblemáticas do toureio em Portugal e algumas de outras nacionalidades. Sendo de realçar no cartel destes espectáculos a participação habitual dos dois grupos de forcados da Vila: Grupo de Forcados Amadores da Chamusca e Grupo de Forcados do Aposento da Chamusca.
O gozo e o prazer destas tradições pôde ser sentido e usufruído mais plenamente pela população quando, no ano de 1973, o dia de Quinta-feira de Ascensão foi legalizado como feriado municipal, através da Lei n.º 263/73 de 26 de Maio.



Forcados Amadores da Chamusca - Corrida da Ascensão.

A  FESTA

A apanha da espiga, a entrada e a corrida de toiros, eram um motivo de forte regozijo entre a população, mas procurou-se criar um ambiente ainda mais festivo. Desse modo, nos anos 60, realizava-se na Chamusca a Feira da Ascensão, com o núcleo central situado no largo da República, junto ao antigo hospital e à escola primária, e que se estendia pelas ruas próximas. Era uma feira semelhante a muitas outras que se realizavam pelo país, constituída por barracas que vendiam todo o tipo de produtos e proporcionavam várias atracções e onde existiam como divertimentos as pistas de “carrinhos de choque”, o carrossel e o circo.
Apesar desta festividade e alegria que envolvia a população do concelho e muita gente oriunda de outras localidades, a feira foi perdendo interesse e teve o seu fim no início dos anos 70, voltando a vila a ficar apenas centrada nas actividades tradicionais da Quinta-feira de Ascensão.
Seria somente em 1981 que a Câmara Municipal começaria a ter um maior envolvimento na organização dos festejos, criando um concurso de montras que movimentou um grande número de comerciantes para participarem nesta acção, que colheu a satisfação de todos e que se manteve pelos anos seguintes, tendo sempre como temas a cultura, tradição e economia local.
Mais tarde, em 1986, a Câmara Municipal decidiu apostar definitivamente na Festa como elemento de desenvolvimento e divulgação do concelho, ao consagrar uma semana aos festejos, com a realização de variadas actividades, em colaboração com várias Instituições e Associações, entre as quais se salienta o extinto Centro Cultural da Chamusca, que organizava a entrada de toiros (situação que se manteve por mais alguns anos), relatando-as em directo através da Rádio Bonfim (criada em Fevereiro de 1986), que também fazia a cobertura do evento e a sua divulgação; a trazer nomes sonantes da tauromaquia à sua tertúlia taurina e a realizar, na sua sede, grandes espectáculos de fado na noite da véspera da Quinta-feira de Ascensão. Tendo chegado, inclusive, num desses espectáculos, a prestar uma homenagem à grande poetisa Chamusquense Maria Manuel Cid.


Fados no Centro Cultural, com Artur Simões, José Manuel Prestes/Manuel João Ferreira (em dueto) e José Cid.


Centro Cultural - Homenagem à Poetisa Maria Manuel Cid

Em 1990, numa lógica de crescimento da festa, a Câmara Municipal acabou por constituir uma Comissão para organizar o evento, constituída por elementos da autarquia, de várias associações do concelho, e das Juntas de Freguesia, que nesse mesmo ano viriam a ter um dia de festa dedicado especificamente a cada uma delas, com a apresentação dos seus valores na área da música, do artesanato, da gastronomia, bem como a sua identidade etnográfica, social e económica.
Nas décadas de 90 e 2000 o número de pavilhões expositores do certame passou de cerca de meia centena para mais de 100. Começaram a realizar-se as mais diversas actividades, como exposições de pintura, fotografia, coleccionismo, provas desportivas, colóquios, espectáculos de teatro, mostras de artesanato, largadas de touros, lançamentos de livros, entre outras realizações.
Este crescimento levou a que se chegassem a montar 2 ou 3 palcos, tal a profusão de espectáculos, tendo actuado na Chamusca os maiores nomes da cena musical nacional e alguns artistas de relevo no panorama internacional. A festa ganhou uma dimensão e notoriedade extraordinária, que a colocaram entre as mais significativas realizadas no Distrito, arrastando milhares de pessoas neste movimento que se manteve até meio da primeira década do ano 2000, quando a organização do evento há já alguns anos alargara a sua duração para 9 dias.
Entretanto, devido aos problemas económicos que começaram a assolar o país, a festa foi reduzindo o seu cartaz de realizações, o número de expositores e os seus dias de duração, perdendo grande parte do brilho e grandiosidade que alcançara. Apesar de tudo conseguiu resistir e chegar até aos nossos dias, com um espírito de crença na continuidade da defesa e divulgação das nossas tradições, e com o empenho e a certeza que a Semana da Ascensão continua a dignificar o nosso concelho e os seus habitantes.
Em 2014 a festa aí está de novo, regressando aos 9 dias de duração. Mais do que a sua extensão no tempo, espera-se e deseja-se que perdure a alegria, o trabalho, a dedicação, a tradição e a cordialidade dos chamusquenses, que fazem desta festa a ascensão das suas qualidades culturais, desportivas, sociais e humanas. 

VÍDEOS COM A ACTUAÇÃO DE ALGUNS MÚSICOS E CANTORES NO PALCO ASCENSÃO. 




1993 - BONGA



1993 - ORQUESTRA LIGEIRA DO EXÉRCITO



2000 -  ANJOS


2002 - JOÃO PEDRO PAIS



2002 - XUTOS & PONTAPÉS



2003 - TONY CARREIRA



                                             RUI VELOSO

Outros Olhares fotográficos sobre a FESTA.




Passagem de modelos.

Desporto


Convívio.

Passeio equestre.


Encontro motard.

Espectáculos












Agradecimento enorme a VICTOR GAGO, por todas as fotografias e pela ajuda na resolução dos vídeos.
Também para a pessoa que me cedeu todos os vídeos e que pretendeu o anonimato.
E a todos os que em Portugal e pelo Mundo acedem a este blog e aqui encontram um espaço de valorização humana, de cultura, de tradição e de Amizade.

Sem comentários:

Enviar um comentário