Número total de visualizações de página

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

FILHOS DO TEJO - MARIA VICÊNCIA GRILO

FILHOS DO TEJO (segunda e última entrevista)



Maria Vicência Grilo, nasceu em 10/12/1930, no Patacão de Cima, em Alpiarça, tendo vindo viver para a Chamusca com 10 anos de idade.

(Parabéns! Celebra hoje 83 anos, de uma vida que lhe desejo longa.)

(Chamusca, sábado 23 de Novembro do ano de 2013)

O Sol era uma alegria cobrindo de luz as hortas e os pomares da Chamusca.
O dia estava morno e a passarada aquecia a voz afinando a orquestra da tarde com gorjeios.
Ali, à distância de uma braçada das águas do Tejo, ia dar um mergulho profundo na vida de Maria Vicência Grilo, atravessando a correnteza do tempo.
Quando a vi, na avaliação de um primeiro olhar, tive a sensação que era mais nova. Os seus olhos vivos e os seus braços desembaraçados e ágeis pareciam tê-la libertado das malhas dos anos, como um simples bater de barbatanas.
Sentada numa pequena cadeira, consertava redes de pesca com o carinho e a ternura de quem afaga os sentimentos.
Cumprimentámo-nos e ao encetarmos a conversa surpreendi-me com a sua lucidez e o leito escorreito da sua memória. Aos 82 anos ainda acompanha as remadas do tempo, como quem, tranquilamente, manobra um barco na correnteza do Tejo.
Uma menina que roeu a côdea da infância, alimentada por uma existência de mãe e de mulher, pois aos 6 anos já cuidava dos seus irmãos e debulhava as suas pequenitas mãos na lida dos afazeres domésticos.
Que aos 7 anos começou a estender as redes no rio da subsistência, para aos 15 anos, definitivamente, lançar a alma ao Tejo pescando cardumes de peixes, de sentimentos e de afectos.
Casou aos 21 anos com Inácio Fernandes, seu primo e avieiro da Barreira da Bica, e juntos se amaram e enamoraram pelo Tejo, mesmo remando arduamente contra a corrente da vida.
Viveram 4 anos no barco, sua casa e única mobília, onde com o seu instinto e dádiva de mãe, ela enfrentou o profundo perigo do rio e a escuridão traiçoeira da noite, dormindo com o filho amarrado por uma corda à cintura.
Teve outro filho com que partilhou perigos, mas também o mesmo espírito fortalecido de carinho e amor. Carregava os seus filhos ao colo quando se deslocava a pé para ir vender o peixe e ergueu-os bem alto na ternura dos seus braços, quando foi preciso educá-los e mostrar-lhes o longo e difícil caminho do futuro.
Quando o peixe deixou de encher as redes, encheu-se de coragem e desbravou o seu sustento na árdua e dura terra dos campos da Chamusca, da Golegã e de Alpiarça.
Mulher, Mãe, Guerreira da Paz e da Esperança, construiu as redes da vida com a malha apertada da valentia, da sensibilidade e do Amor.
Continua a pescar, porque lhe corre o Tejo no sangue. E apesar da sua vida sofrida, as suas palavras são alegres e a sua mensagem é feliz.
Digo-lhe que a admiro, mas ela não dá importância e diz-me que apenas cumpriu a vida.
Vê-me garatujar no papel as sombras das suas últimas palavras e cicia-me, com uma voz encolhida e triste; «só foi pena tanto sacrifício e não ter podido aprender a ler e a escrever.»
Comovo-me. É que sem se dar conta, ela acaba de me ler e de escrever a emocionante história da sua vida.

&&&&&&


Vídeo de um lance de pesca realizado no leito do Tejo, na Chamusca, junto às instalações da extinta fábrica "Spalil" (dia 07/12/2013).



Agradecimentos a Fernando Chora, meu amigo, por ter disponibilizado o seu tempo e o seu barco para permitir a gravação deste vídeo e também a Joaquim José Grilo Fernandes que tornou possível este encontro com o Tejo.

O que é que sabe sobre os seus antepassados e a vinda deles da Praia da Vieira para O Ribatejo?

       O que sei, por ouvir contar aos mais velhos, é que os pescadores da Vieira quando vieram para o Ribatejo o primeiro lugar onde se instalaram foi na Chamusca. Aqui é que começaram a construir os seus barcos, para depois se estenderem ao longo do Tejo, como aconteceu no caso dos meus pais que se fixaram inicialmente no Patacão de Cima, onde nasci, e de depois no Patacão de Baixo, em Alpiarça.

Que recordações guarda dos primeiros anos da sua vida?

          Lembro-me do tempo em que todos vivíamos no barco. Eu, os meus pais e os meus irmãos. E depois de termos ido viver para terra numa barraca de palha. Só que um dia em que a minha mãe estava a fazer o almoço, a corda que estava atada ao arco da caldeira e amarrada a um barrote pegou fogo e num instante incendiou a nossa barraca. Conseguimos fugir sem nenhuma queimadura, mas foi muito triste termos ficado sem casa e sido obrigados a ir viver novamente para o barco.
Só passado algum tempo é que o meu pai fez uma casita melhor: uma barraca de madeira.


Seu pai, Manuel Grilo, durante o serviço militar.

Como era a sua vida de criança?

Era praticamente uma vida de mulher e de mãe. Aos 6 anos, como os meus irmãos Jaime e Celestino já tinham nascido e por ser a mais velha, quando os meus pais iam para a pesca e nos deixavam aos três sozinhos, era eu quem tinha a obrigação de fazer de mãe dos mais pequenos.
Dava-lhes o café e vestia-os. Ao almoço comíamos o que a minha mãe tinha preparado no dia anterior. Lavava-lhes a roupa no Tejo e tinha que tomar conta deles com muita atenção, para que não fossem para a água e se afogassem.
Mas tinha também a obrigação e o trabalho de cozer os feijões e ir para o campo apanhar saramagos, uma erva que se comia muito na altura, para que quando a minha mãe chegasse pudesse fazer a comida para o jantar, que muitas vezes nem chegávamos a comer, porque os meus pais aportavam a altas horas da noite quando eu e os meus  irmãos já estávamos  a dormir.

Foram sempre assim os seus dias de criança, fazendo tarefas de mulher e de mãe?

Havia alturas em que tinha menos obrigações. Quando estava um tempo melhor, na Primavera e no Verão, e já com o meu irmão Manuel nascido, os meus pais deixavam-nos no areal da praia, dentro de uma pequena choupana que ali construíram, e iam para a pesca por perto, com a gente mais ou menos debaixo de olho.
Quando eles iam pescar para mais longe e por lá tinham que ficar por um ou mais dias, levavam-nos consigo. Depois, à noite, arranjavam um lugar dentro da maracha do Tejo onde punham um toldo para nos proteger do frio ou da chuva e ali nos deixavam a dormir.
Outras vezes, em dias de bom tempo, íamos todos para a pesca com os meus pais. Foi assim que aos 7 anos comecei a estender as redes da "varina".

Foi ainda criança que veio viver para a Chamusca?

A minha família veio para a Chamusca tinha eu 10 anos. O meu pai construiu uma choupana no Porto do Carvão onde ficámos a viver e ali continuei a tomar conta dos meus irmãos até aos 12 anos, quando me deu uma forte dor na perna. Fiquei um ano no hospital e durante mais dois a tentar recuperar em casa, na barraca que entretanto o meu pai construíra.


Aos 13 anos de idade, com o seu irmão Manuel Grilo.

Aos 7 anos já ajudava a lançar as redes ao rio, mas quando é que iniciou verdadeiramente a sua vida de pescadora?

            Foi aos 15 anos que me comecei a dedicar por inteiro à pesca e a pescar noite e dia. Este era o futuro natural dos filhos dos avieiros. Quando já tinham corpo e força, mesmo sendo mulheres, eram mais uns braços para ajudar na faina e no sustento da casa. Por isso continuei a pescar com os meus pais e os meus irmãos até ao dia do meu casamento.

Quando é que se casou e quais foram as mudanças na sua vida?

      Casei-me aos 21 anos com o Inácio Fernandes, que era meu primo e tinha a mesma idade. Também ele era avieiro e vivia na Barreira da Bica. Casámos na Chamusca e fizemos a boda no Patacão, em Alpiarça. O meu marido, como era costume, trouxe de dote o barco, que foi a nossa casa e a mobília durante os 4 anos em que vivemos nele.
Os dois batíamos o Tejo desde Salvaterra de Magos a Abrantes. Vendendo o peixe para revenda em Salvaterra e fazendo a venda também em Torres Novas, Entroncamento, Abrantes e Chamusca.



Seu marido, Inácio Fernandes, no mercado de Torres Novas

Aquela vida era muito ingrata. Trabalhávamos muito e sofríamos bastante. Muitas vezes queria fazer o comer e, mesmo tapados com o toldo, a água caía por todos os lados. O dinheiro que apurávamos também era muito pouco.
Ao fim de nove meses de casados nasceu o meu filho Jaime na barraca dos meus pais, porque não podia nascer no barco onde a parteira não ia fazer o parto.
Fiquei de resguardo um mês em casa dos meus pais, mas depois levei o Jaime para viver no barco.



Imagem de duas bateiras. Uma delas com o pequeno toldo que era usado para proteger do frio e da chuva.

Como é que se consegue criar um filho dentro de um barco?
        
     Sendo o barco a nossa casa, tínhamos que nos amanhar como podíamos. No princípio, nas emparadeiras, no meio do barco, punha um estrado de madeira que tapava com areia e em cima dela acendia o lume e fazia a comida. Depois comprei um fogareiro a petróleo onde comecei a cozinhar e a aquecer a água numa cafeteira, para dar banho ao meu filho dentro de uma bacia, protegida pelo toldo. No Verão não era preciso todo este trabalho, porque ele tomava banho na água do Tejo.
        Quanto à roupa, era lavada no Tejo com sabão e cloreto e passada com um ferro a carvão, sem carvão, aquecido com as brasas de salgueiros queimados. Passava-a em cima do traste, que é a tábua do meio do barco.
        Éramos pessoas limpas e com responsabilidade e os nossos filhos sempre foram bem tratados e andaram asseados.

Mas não havia o perigo da criança cair à água, sobretudo à noite?
        
        Havia o perigo, mas a nossa vida era aquela. Por isso me obriguei a ficar sempre acordada para tomar conta da criança à noite, enquanto o meu marido dormia. Até que um dia em que estava muito cansada lhe pedi que fosse ele a olhar pelo nosso filho, para eu poder dormir. Adormeci confiante que ele tomasse conta do pequeno, mas quando acordei durante a noite o nosso filho encontrava-se sentado no meio do barco. Foi uma grande sorte não ter caído ao rio. Como esta situação se repetiu mais uma vez, tive que passar a dormir com o meu filho amarrado à cintura com uma corda pequena, para não acontecer uma desgraça com ele. Assim passámos a ter mais sossego.
Apesar de todo este cuidado não evitámos que o nosso filho Jaime, quando tinha dois anos, e à luz do dia, tivesse caído ao Tejo. Naquele desespero o meu marido largou o barco, atirou-se à água e conseguiu-o salvar. Foi uma aflição e um sofrimento ver o meu filho às portas da morte. Mas a nossa vida teve que seguir, sempre com o coração nas mãos, pois não nos restava mais nada do que continuar a pescar para sobrevivermos.
Só quando construímos a nossa barraca no Porto do Carvão é que começámos a ficar mais tranquilos com o nosso filho.

Depois tiveram outro filho. A situação dele foi diferente?

        Ao fim de 6 anos e meio nasceu-me o outro filho, o Joaquim José. Muitas das coisas que se passaram com o Jaime voltaram a repetir-se com ele, mas como nessa altura já tínhamos a nossa barraca não passávamos tanto tempo no Tejo, à noite. Mas a vida dele também não foi fácil, basta dizer que ao fim de 8 dias de ter nascido já estava a dormir com a gente, no barco, no Porto do Pinheiro Grande.
        E como não tinha com quem deixá-los, muitas vezes eles tinham que me acompanhar para ir fazer as minhas vendas. Ia a pé para a Carregueira e para o Entroncamento vender peixe e a maior parte do caminho levava-os ao colo. Quando voltava do Entroncamento muitas vezes já não tinha força e apanhava a camioneta na Golegã.

Depois veio o tempo em que só a pesca já não chegava e foi preciso fazer também vida em terra!?
       
           Depois de muito labutarmos chegou uma altura em que o Tejo já não dava e eu e o meu marido tivemos que nos voltar para a agricultura. Tinha 30 anos quando me vi obrigada a fazer searas de tomate no campo da Golegã e da Chamusca e mais tarde no de Alpiarça, para podermos viver e pagar à Câmara os 20 escudos de renda do terreno onde estava a nossa barraca. Trabalhávamos muito e para poder poupar, ao jantar, por vezes só bebíamos café e comíamos uma fatia de pão.



Uma fotografia dessa época difícil. Nesta foto é a primeira mulher, à direita, com o xaile. O homem da foto é o seu pai. O menino de mãos nos bolsos é o seu filho Joaquim José.

Foi devido a essas dificuldades que quis dar outra vida aos seus filhos?

Foi por essa razão e também porque nem eu nem o meu marido fomos para a escola. Não sabíamos uma letra e não quisemos que se passasse o mesmo com os nossos filhos, por isso decidimos dar-lhes estudos. Numa certa altura andaram os dois a estudar em Torres Novas e só para pagar os transportes era um sacrifício. Mas valeu a pena tanto esforço, porque os meus filhos conseguiram ter alguns estudos, fazer a sua vida e arranjar bons empregos.
Felizmente consegui que eles estudassem, porque a maior pena que tenho na vida é a de não saber ler nem escrever. É certo que me consegui governar, mas faltou-me a escola. Quando os meus pais colocaram os meus irmãos Jaime e Celestino a aprender na escola do Manuel Barroso, ainda me disseram que me iam compensar e deixar-me também aprender, mas isso, infelizmente, nunca veio a acontecer.

Estamos aqui à conversa e não larga as redes. Com quem é que aprendeu a fazê-las e que mais nos pode dizer sobre elas?


(Respostas no vídeo)



Que sentimento tem pelo Tejo?

            Só de ver o rio sinto uma grande alegria. Tenho muito amor ao Tejo. Nele nasci e me criei e sempre que é preciso vou lá com o meu filho Joaquim José, que está a tentar continuar esta tradição da família. Tenho orgulho que ele e outros sobrinhos meus o façam, pois assim não se acaba este ofício que começou com os meus avós.




Com o seu filho Joaquim José no conserto das redes.



               Com o seu filho Joaquim José na pesca.


Com a sua irmã Justina, que também já foi pescadora, e com o sobrinho Fernando Chora que tenta dar continuada a tradição da família.



    O neto André Fernandes, depois de uma pescaria, exibindo algumas lampreias. 
Um jovem pescador de palavras, com um livro de poesia já publicado.

Por que é que ainda pesca e até quando o vai fazer?

Pesco porque o Tejo, o peixe e a pesca estão-me no sangue. Vou pescar até poder andar, nem que seja com muletas. Já não pesco para vender, mas se houvesse peixe suficiente e tivesse forças ainda gostava de ter um lugar de venda.




No tempo da venda no mercado de Torres Novas

O que é que gostava que as Entidades responsáveis pelo Tejo, fizessem por ele?

Gostava que não houvesse tanta poluição no Tejo. Há alturas em que não se pode colocar as redes. Um dia destes tive que estar a tirar alguns quilos de lixo que se agarrou às redes e que era proveniente de descargas.
Também era bom se limpassem as caneiras e os salgueiros que estão no meio do Tejo.

Mais algumas fotografias da sua actividade piscatória.










Agradecimento especial a Lurdes Couto, nora da entrevistada, pela sua inteira disponibilidade na recolha fotográfica e colaboração.



No barco, conduzida pelas remadas da sogra.

Dedico este trabalho à minha avó Leonilde Santos "Passarita", que durante 40 anos foi peixeira no mercado da Chamusca.


Comentários:

Anónimo deixou um novo comentário na sua mensagem "FILHOS DO TEJO - MARIA VICÊNCIA GRILO": 

Carlos
Mais uma vez consegues traduzir nas tuas palavras toda a riqueza da alma Avieira.
Tens o poder de tornar bela a mais simples frase. O teu talento é qualquer coisa imponente!
Tenho imenso orgulho em fazer parte desta gente "Ciganos do Tejo" que tanta lição de vida me transmitiram e ensinaram.
Quem escuta as suas histórias de vida, apaixona-se pelo Tejo e as suas águas tornam-se ondas de sonho e pura magia.
Não esquecendo ninguém desta nobre e humilde gente, desde o meu tio Jaime, aos saberes que a minha sogra me tem transmitido, quero perpetuar a lembrança dum HOMEM que desbravou o Tejo como ninguém e que me fez sentir que sou no coração UMA AVIEIRA, o meu sogro!
BEM HAJAS!
Da amiga Lurdes Couto e família

NOTA: Devo realçar o orgulho que a minha sogra sentiu, por haver pessoas como tu que dão valor à vida dos avieiros: a sua vida!!! 





AFM deixou um novo comentário na sua mensagem "FILHOS DO TEJO - MARIA VICÊNCIA GRILO": 

Estimado Carlos,

É com comoção que leio as suas palavras; traduzem a excelência do seu trabalho e são o retrato desta Chamusca adorada.
Ver assim retratada a vida da minha família paterna faz-me viajar pelo tempo que ficou lá atrás, numa viagem não tão longínqua como a de regressar a 1930, mas já longínqua. Lembro-me de ouvir a minha avó apregoar a qualidade do peixe que vendia no mercado de Torres Novas ou do melão que vendia em Alpiarça. Ainda me recordo de ver o meu avô construir o último barco que fez nos telheiros onde hoje o meu pai tem as videiras. Os meus avós palmilharam a terra e navegaram o rio com sacrifício e com a ambição própria de quem quer brindar as gerações vindouras uma vida melhor. Cumpriram essa ambição.Costumo dizer que a minha família andou descalça para que hoje tenha eu que calçar. Orgulho-me dessas origens, que são minhas, pobres, humildes e ricas de vida, exemplo e coragem. Obrigada por ter captado na perfeição toda a sua essência.
Andreia Lurdes Casimiro Fernandes

Jose Passos deixou um novo comentário na sua mensagem "FILHOS DO TEJO - MARIA VICÊNCIA GRILO":

Parabéns companheiro! E obrigado! É bom recordar a nossa terra e a nossa gente!

Zé Manel Passas

Eduardo Martinho




Qualificaria a entrevista com a D. Maria Vicência como um testemunho muito comovente! O que não é pouco...
É um orgulho pertencer a esta galeria de gente humilde, mas honrada e nobre.
As palavras de elogio ao seu trabalho começam a escassear, mas eu diria que poucas iniciativas poderiam fazer tanto pela identidade colectiva das pessoas da nossa região.   

Luis Imaginario deixou um novo comentário na sua mensagem "FILHOS DO TEJO - MARIA VICÊNCIA GRILO":

Ó Carlos, mais uma vez consegues transmitir com palavras simples, mas de tal maneira, que parece que estamos a viver o presente, quando estás a fazer uma história de vida do passado até hoje. A recordação que estás a perpetuar, toca-me muito fundo, não só pela Dª Maria, mas também pela família Grilo e pela sua descendência da parte do Couto Casimiro, com quem cresci e convivi muito de perto.
Ao ler esta história de vida, recordo-me ainda hoje quando em miúdo ia ao domingo à pesca ao Tejo com o meu pai, ele também me atava com uma corda à cintura agarrada ao barco, não fosse o diabo tecê-las, portanto ó Quim, não fostes só tu que andaste atado com uma corda ao barco, o Luís do Custódio também andou.
Resta-me desejar não mais 83 anos de vida, mas ainda alguns mais de boa saúde.



Luis Filipe ImaginarioMais um belíssimo trabalho, força CARLOS !!!
Muito bom dia,
Que grande história de vida e que prazer teriamos em convidar esta linda senhora para o nosso programa! Acha que ela aceitaria? Para falarmos melhor, precisávamos que nos indicasse um número de contacto seu e da Dona Maria Vicência. Ficamos a aguardar estes contactos, mas estamos mesmo muito interessados em fazer uma reportagem com esta senhora e trazê-la a estúdio, para uma entrevista com a nossa Fátima Lopes.
Um abraço
Liliana Pacheco
Redação 'A Tarde é Sua'

  • Jorge Silva Santos Parabéns Carlos, está aqui a prova que o teu trabalho no blog está a ser reconhecido. Abraço





                 
        
João José Bento comentou uma ligação que partilhaste.
João José escreveu: "Quem trabalha pelos valores culturais e tradicionais da sua terra
 e por amor à camisola e às suas gentes, merece ver reconhecido o seu trabalho pelos
órgãos de comunicação social nacionais. Parabéns !!! Carlos Oliveira. Por isso deixo o
convite, estejam atentos `TVI hoje no programa da tarde."

Luis Filipe Imaginario comentou uma ligação que partilhaste.
Luis Filipe escreveu: "Carlos, não é para agradecer, isto é uma questão de
 reconhecimento e dar valor a quem faz algo pela nossa terra, que são uma
espécie em extinção, tu pela escrita outros de outras formas que não são
reconhecidas e a maior parte das vezes só depois de desaparecerem, tem
que se dar valor ás pessoas em vida, um grande abraço Bom natal e um ano 2014,
 pelo menos igual a 2013.

Setembro deixou um novo comentário na sua mensagem "FILHOS DO TEJO
 - MARIA VICÊNCIA GRILO
": 

Parabéns Carlos muito bom trabalho. Obrigada e aproveito para te desejar tudo de
 bom. Bom Natal e Feliz Ano Novo. Um abraço




Foi uma agradável surpresa. Não conhecia este bom trabalho.
Uma Boa prenda de anos para a minha mãe, sim porque eu sou o Jaime a que ela se refere.

9 comentários:

  1. Carlos
    Mais uma vez consegues traduzir nas tuas palavras toda a riqueza da alma Avieira.
    Tens o poder de tornar bela a mais simples frase. O teu talento é qualquer coisa imponente!
    Tenho imenso orgulho em fazer parte desta gente "Ciganos do Tejo" que tanta lição de vida me transmitiram e ensinaram.
    Quem escuta as suas histórias de vida, apaixona-se pelo Tejo e as suas águas tornam-se ondas de sonho e pura magia.
    Não esquecendo ninguém desta nobre e humilde gente, desde o meu tio Jaime, aos saberes que a minha sogra me tem transmitido, quero perpetuar a lembrança dum HOMEM que desbravou o Tejo como ninguém e que me fez sentir que sou no coração UMA AVIEIRA, o meu sogro!
    BEM HAJAS!
    Da amiga Lurdes Couto e família

    NOTA: Devo realçar o orgulho que a minha sogra sentiu, por haver pessoas como tu que dão valor à vida dos avieiros: a sua vida!!!

    ResponderEliminar
  2. Lurdes, agradeço as tuas palavras sentidas.
    O que me levou a fazer este trabalho com os Avieiros foram, sobretudo, sentimentos; um grande respeito por estas gentes que tanto trabalharam para erguer a sua vida e deixar traços de Humanidade na sua Região e no seu País; a sua sensibilidade feliz numa incansável luta com uma vida por vezes tão cruel; os seus princípios e valores com os quais me identifico.
    Sinto-me honrado por me terem acolhido com tanto carinho e ter podido embarcar no leito das suas memórias.
    Agradeço por me terem confiado alguns momentos da sua vida e o muito que aprendi com eles. Exemplos para um mundo que se quer melhor, mais solidário e humanizado.
    Um abraço profundo e do tamanho do Tejo deste vosso Amigo.

    ResponderEliminar
  3. Estimado Carlos,

    É com comoção que leio as suas palavras; traduzem a excelência do seu trabalho e são o retrato desta Chamusca adorada.
    Ver assim retratada a vida da minha família paterna faz-me viajar pelo tempo que ficou lá atrás, numa viagem não tão longínqua como a de regressar a 1930, mas já longínqua. Lembro-me de ouvir a minha avó apregoar a qualidade do peixe que vendia no mercado de Torres Novas ou do melão que vendia em Alpiarça. Ainda me recordo de ver o meu avô construir o último barco que fez nos telheiros onde hoje o meu pai tem as videiras. Os meus avós palmilharam a terra e navegaram o rio com sacrifício e com a ambição própria de quem quer brindar as gerações vindouras uma vida melhor. Cumpriram essa ambição.Costumo dizer que a minha família andou descalça para que hoje tenha eu que calçar. Orgulho-me dessas origens, que são minhas, pobres, humildes e ricas de vida, exemplo e coragem. Obrigada por ter captado na perfeição toda a sua essência.
    Andreia Lurdes Casimiro Fernandes

    ResponderEliminar
  4. Parabéns companheiro! E obrigado! É bom recordar a nossa terra e a nossa gente!

    Zé Manel Passas

    ResponderEliminar
  5. Obrigado Andreia.
    O testemunho que acaba de prestar enche-me de orgulho. Orgulho por esta gente que apesar de pobre e de não ter podido sentar-se nos bancos da escola,soube legar aos seus filhos e netos a educação e os princípios que fazem deles, hoje, pessoas humanamente mais ricas.
    Quanto ao meu trabalho, é apenas fruto da identificação que sinto com esta gente e da qualidade de sentimentos que possuem.
    Sinto-me honrado pela ternura com que me abrem o coração e me contam a sua vida.
    Fico feliz por poder partilhar estas vidas tão sofridas, mas tão profundas na sua sensibilidade e afectos.
    Abraço, com carinho e agradecimento.

    ResponderEliminar
  6. Ó Carlos, mais uma vez consegues transmitir com palavras simples, mas de tal maneira, que parece que estamos a viver o presente, quando estás a fazer uma história de vida do passado até hoje. A recordação que estás a perpetuar, toca-me muito fundo, não só pela Dª Maria, mas também pela familia Grilo e pela sua descendência da parte do Couto Casimiro, com quem cresci e convivi muito de perto.
    Ao ler esta história de vida, recordo-me ainda hoje quando em miudo ia ao domingo à pesca ao Tejo com o meu pai, ele também me atava com uma corda à cintura agarrada ao barco, não fosse o diabo tecê-las, portanto ó Quim, não fostes só tu que andaste atado com uma corda ao barco, o Luis do Custódio também andou.
    Resta-me desejar não mais 83 anos de vida, mas ainda alguns mais de boa saude.

    ResponderEliminar
  7. Parabéns Carlos muito bom trabalho. Obrigada e aproveito para te desejar tudo de bom. Bom Natal e Feliz Ano Novo. Um abraço

    ResponderEliminar